Bem Vindo, visitante! [ Cadastre-se | EntrarRSS Feed  |   | 

Facebook Twitter Google+ email email

Anunciar Empresa
Ribas do Rio Pardo: Por nepotismo, MPE pede exoneração de sobrinha e cunhado de prefeito

Ribas do Rio Pardo: Por nepotismo, MPE pede exoneração de sobrinha e cunhado de prefeito

Duas recomendações do MPE-MS (Ministério Público Estadual de Mato Grosso do Sul) pedem a exoneração, em até dez dias, de
Frio chega a 3°C em Ribas do Rio Pardo e geada atinge quase todo o município

Frio chega a 3°C em Ribas do Rio Pardo e geada atinge quase todo o município

A madrugada desta quarta-feira (19) foi gelada em todo o estado de Mato Grosso do Sul, onde a geada se
Novo salário mínimo de R$ 979,00 tem impacto de R$ 12,7 bilhões nas contas do governo em 2018

Novo salário mínimo de R$ 979,00 tem impacto de R$ 12,7 bilhões nas contas do governo em 2018

O aumento do salário mínimo de R$ 937 para R$ 979 em 2018 terá impacto de R$ 12,7 bilhões nas
Tragédia: Na contramão, caminhonete bate em moto e motociclista morre carbonizado próximo a Ribas do Rio Pardo

Tragédia: Na contramão, caminhonete bate em moto e motociclista morre carbonizado próximo a Ribas do Rio Pardo

Leandro Pinheiro, de 28 anos, morreu carbonizado após sofrer um acidente por volta das 20h15 desse sábado (15), na BR-262,
DEFESA VÊ “INVESTIGAÇÃO POLITICAMENTE MOTIVADA” (Seu julgamento envergonhou o Brasil ao ignorar evidências esmagadoras de inocência e sucumbir a um viés político)

DEFESA VÊ “INVESTIGAÇÃO POLITICAMENTE MOTIVADA” (Seu julgamento envergonhou o Brasil ao ignorar evidências esmagadoras de inocência e sucumbir a um viés político)

Em nota, os advogados Cristiano Zanin Martins e Valeska Teixeira Zanin Martins, que defendem o ex-presidente Lula, afirmam que "o
Saiba o que vai cair no concurso da Câmara Municipal de Ribas do Rio Pardo

Saiba o que vai cair no concurso da Câmara Municipal de Ribas do Rio Pardo

Você já está estudando para o concurso da Câmara Municipal de Ribas do Rio Pardo? Se você está perdido e
Homem é encontrado morto em quarto de hotel em Ribas do Rio Pardo

Homem é encontrado morto em quarto de hotel em Ribas do Rio Pardo

De acordo com o boletim de ocorrência um homem de 55 anos foi encontrado morto em um dos quartos do
Senadores de MS votam pela aprovação da reforma trabalhista

Senadores de MS votam pela aprovação da reforma trabalhista

Os três senadores de Mato Grosso do Sul votaram a favor da reforma trabalhista, nesta terça-feira (11), em pleito realizado

Iceberg gigante se desprende na Antártida


iceberg-gigante-acc81rtic-nasa
Esta postagem foi publicada em 12 de julho de 2017 Ciência e Técnologia, Mundo, Notícias Barra Lateral.

O iceberg com 1 trilhão de toneladas e área 4 vezes maior que cidade de São Paulo se soltou da plataforma de gelo Larsen C entre 10 e 12 de julho

Um dos dez maiores icebergs já registrados se desprendeu da Antártida, disseram cientistas nesta quarta-feira. O iceberg de um trilhão de toneladas, que mede 5.800 quilômetros quadrados (área quatro vezes maior que a cidade de São Paulo ou equivalente ao Distrito Federal), se soltou da plataforma de gelo Larsen C da Antártida. A separação aconteceu em algum momento entre 10 e 12 de julho, segundo os pesquisadores do Projeto Midas, das universidades de Swansea e de Aberystwyth, no País de Gales, e do Instituto de Pesquisa Antártico Britânico (BAS, na sigla em inglês).

“O iceberg é um dos maiores registrados e seu progresso futuro é difícil de prever”, disse Adrian Luckman, professor da Universidade de Swansea e principal investigador do Projeto Midas, que monitora a plataforma de gelo desde 2014. “Ele pode continuar reunido em um único pedaço, mas é mais provável que se separe em fragmentos. Parte do gelo pode continuar na área durante décadas e partes do iceberg podem flutuar para o Norte e entrar em águas mais quentes.”

Gigantesco iceberg

O iceberg estava prestes a se soltar havia alguns meses e os cientistas estavam monitorando o progresso da rachadura na plataforma de gelo por meio de sistemas de imagens capazes de perceber mudanças na geografia da região mesmo durante os períodos escuros e nebulosos do inverno antártico. A separação foi detectada por satélites da Nasa e confirmada por instrumentos científicos. De acordo com os pesquisadores, o iceberg, que tem espessura entre 200 e 600 metros, reduziu o tamanho da plataforma em mais de 12%.

Mapa da Plataforma Larsen C, sobreposta à imagem da Nasa, de 12 de 2017, mostrando a separação do ioceberg. (Divulgação/Divulgação)

O desprendimento, segundo os cientistas, deve mudar substancialmente a geografia da Península Antártica, que está localizada fora das principais rotas comerciais de navegação. A configuração da região, porém, será menos estável.

O iceberg, que deve ser batizado de A68, já estava flutuando antes de se separar, por isso não deve causar impacto imediato no nível dos oceanos. Contudo, futuras rupturas causadas pelo desprendimento podem levar ao descongelamento de geleiras e, como a água dessas últimas são integradas aos mares, podem levar ao aumento do nível.

Apesar de não ser o maior iceberg da história (título dado a um iceberg de 11.000 quilômetros quadrados que se desprendeu de uma plataforma do Mar de Ross, também na Antártida, em 2000), os pesquisadores acompanhavam a rachadura em Larsen C com atenção, em razão de colapsos das plataformas Larsen A e B, que se situavam mais ao norte da Península Antártida, e desmoronaram em 1995 e 2002, respectivamente.

Imagem de 12 de Julho da Nasa, que confirma o desprendimento

Iceberg na Antártida: imagem de 12 de julho da Nasa, que confirma o desprendimento (Divulgação/Divulgação)

“Isso resultou na aceleração dramática das geleiras atrás deles, e volumes maiores de gelo entraram no oceano e contribuíram para a elevação do nível do mar”, disse David Vaughan, especialista em geleiras e diretor de ciência do Instituto Britânico Antártico. “Se, agora, a Larsen C começar a recuar significativamente e mais adiante desmoronar, veremos outra contribuição à elevação do nível do mar.”

Mudanças geográficas

Plataformas de gelo flutuam no mar, na extremidade da geleiras, com uma espessura de centenas de metros. Por não estarem sobre a terra, pedaços podem se desprender. Os cientistas temem que a perda dessas plataformas ao redor do continente permita que, futuramente, geleiras internas se mexam mais rápido em direção ao mar, à medida que as temperaturas aumentem devido às mudanças climáticas.

(Com Reuters)


36 Visualizações

Notícias em Destaque



Publicidades

Tweater

-