Bem Vindo, visitante! [ Cadastre-se | EntrarRSS Feed  |   | 

Facebook Twitter Google+ email email

Anunciar Empresa
Ribas do Rio Pardo: Por nepotismo, MPE pede exoneração de sobrinha e cunhado de prefeito

Ribas do Rio Pardo: Por nepotismo, MPE pede exoneração de sobrinha e cunhado de prefeito

Duas recomendações do MPE-MS (Ministério Público Estadual de Mato Grosso do Sul) pedem a exoneração, em até dez dias, de
Frio chega a 3°C em Ribas do Rio Pardo e geada atinge quase todo o município

Frio chega a 3°C em Ribas do Rio Pardo e geada atinge quase todo o município

A madrugada desta quarta-feira (19) foi gelada em todo o estado de Mato Grosso do Sul, onde a geada se
Novo salário mínimo de R$ 979,00 tem impacto de R$ 12,7 bilhões nas contas do governo em 2018

Novo salário mínimo de R$ 979,00 tem impacto de R$ 12,7 bilhões nas contas do governo em 2018

O aumento do salário mínimo de R$ 937 para R$ 979 em 2018 terá impacto de R$ 12,7 bilhões nas
Tragédia: Na contramão, caminhonete bate em moto e motociclista morre carbonizado próximo a Ribas do Rio Pardo

Tragédia: Na contramão, caminhonete bate em moto e motociclista morre carbonizado próximo a Ribas do Rio Pardo

Leandro Pinheiro, de 28 anos, morreu carbonizado após sofrer um acidente por volta das 20h15 desse sábado (15), na BR-262,
DEFESA VÊ “INVESTIGAÇÃO POLITICAMENTE MOTIVADA” (Seu julgamento envergonhou o Brasil ao ignorar evidências esmagadoras de inocência e sucumbir a um viés político)

DEFESA VÊ “INVESTIGAÇÃO POLITICAMENTE MOTIVADA” (Seu julgamento envergonhou o Brasil ao ignorar evidências esmagadoras de inocência e sucumbir a um viés político)

Em nota, os advogados Cristiano Zanin Martins e Valeska Teixeira Zanin Martins, que defendem o ex-presidente Lula, afirmam que "o
Saiba o que vai cair no concurso da Câmara Municipal de Ribas do Rio Pardo

Saiba o que vai cair no concurso da Câmara Municipal de Ribas do Rio Pardo

Você já está estudando para o concurso da Câmara Municipal de Ribas do Rio Pardo? Se você está perdido e
Homem é encontrado morto em quarto de hotel em Ribas do Rio Pardo

Homem é encontrado morto em quarto de hotel em Ribas do Rio Pardo

De acordo com o boletim de ocorrência um homem de 55 anos foi encontrado morto em um dos quartos do
Senadores de MS votam pela aprovação da reforma trabalhista

Senadores de MS votam pela aprovação da reforma trabalhista

Os três senadores de Mato Grosso do Sul votaram a favor da reforma trabalhista, nesta terça-feira (11), em pleito realizado

MST sai insatisfeito de reunião com Incra e garante novos bloqueios


incra
Esta postagem foi publicada em 28 de junho de 2016 Notícias Barra Lateral, Notícias da Região.

Pacificação rural. Este foi o termo utilizado pelo presidente nacional do Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária), Leonardo Góes Silva, durante a reunião com os nove movimentos sem terra realizado na tarde desta terça-feira (28). Porém, o balanço foi contrário ao esperado pelas lideranças dos movimentos sem-terra, que garantiram que irão se reunir para protestar contra a inércia do Instituto em assuntos emergenciais.

Presidente do Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária), Leonardo Góes Silva recebe a pauta de reivindicações dos movimentos   (Foto: Mariana Castelar)

Presidente do Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária), Leonardo Góes Silva recebe a pauta de reivindicações dos movimentos (Foto: Mariana Castelar)

“Foi mais uma reunião política”, disse o líder da CTB (Central dos Trabalhadores do Brasil), Hélio Cardoso. Já Adônis Marcos, dirigente Nacional das Ligas Camponeses, reclama dizendo que não houve nada de concreto na reunião e que os movimentos irão conversar sobre novos protestos. “Vamos nos organizar porque com certeza haverá fechamento de rodovias”.

Esperando um pouco mais de atitude por parte do novo presidente do Instituto e relembrando que não há assentamento de nenhuma família há seis anos no Estado, lideranças dos movimentos alegam que haverá uma resposta a esta inércia. “Hoje o que tivemos foi uma reunião para tapar buraco, mais nada”, disse Hélio.

Há pouco mais de um mês no cargo, o presidente do Incra afirma que Mato Grosso do Sul estava na agenda de visitação por ser uma das regiões mais conflitantes do país e que esta reunião é de cunho pacífico. “Estamos analisando as reinvidicações dos movimentos, mas é preciso analisar a toda a situação antes de agir e avançar, por isso estamos ouvindo para diminuir a tensão pela terra”, explica.

Os líderes dos movimentos deixaram bem claro que não reconhece o governo atual, porém são eles que estão no poder e é preciso conversar sobre a situação da Reforma Agrária. Entre os assuntos determinados pelos movimentos a ser discutidos da reunião, está a falta das quatro mil cestas básicas entregues aos acampados, que não são realizadas desde o início deste ano.

“Este é um assunto urgente que precisa ser decidido. Há pessoas que estão debaixo da lona há dez anos e estão passando fome”, enfatizou Adônis. Porém, o presidente do Incra afirmou que o Instituto auxilia apenas na logística da entrega e que verá com a Conab (Companhia Nacional de Abastecimento) o que pode ser feito.

A expectativa dos movimentos pró-reforma agrária é que pelo menos dez mil famílias sejam assentadas até deste ano ano, no entanto, Góes não bateu o martelo sobre esta reivindicação. “Precisamos analisaro orçamento. Há como avançar, porém é preciso fazer uma análise”.

Já sobre a situação das famílias que vivem às margens das rodovias também e que o Dnit (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes) afirma que o local não pode ser habitado, também foi uma das pautas discutidas. “Vai tirar essas famílias que já estão excluídas e vivendo à margem da sociedade para colocar onde? Vamos colocá-las então na casa do chefe do Dnit”, declarou o deputado federal Zeca do PT que também compareceu à reunião.

O cadastramento das famílias acampadas também foi citado pelos líderes dos movimentos. “Sabemos que há questões do governo, mas temos muita família debaixo da lona”, enfatizou o diretor estadual do MST (Movimento Sem Terra) de Mato Grosso do Sul, Jonas Carlos da Conceição. Já Adônis reforçou a necessidade na agilidade no assentamento das famílias. “Estamos no século XXI, mas os acampados vivem no século XXII”.

Para a obtenção de terra, Leonardo Góes afirmou que no ano passado havia R$ 350 mihões, mas o Instituto só conseguiu R$159 milhões. “Este ano temos R$400 milhões e queremos ver se conseguimos executar todo o nosso orçamento”, reforçou o presidente do Incra.

Campo Grande News


56 Visualizações

Notícias em Destaque



Publicidades

Tweater

-