Bem Vindo, visitante! [ Cadastre-se | EntrarRSS Feed  |   | 

Facebook Twitter Google+ email email

Anunciar Empresa
Cavalaria da PMMS garante segurança na Cavalgada em Louvor a Nossa Senhora Aparecida em Ribas do Rio Pardo

Cavalaria da PMMS garante segurança na Cavalgada em Louvor a Nossa Senhora Aparecida em Ribas do Rio Pardo

Campo Grande (MS) – A Polícia Militar do Estado de Mato Grosso do Sul através do 1° Esquadrão Independente de
Autoridades se unem para controlar incêndio em Ribas do Rio Pardo

Autoridades se unem para controlar incêndio em Ribas do Rio Pardo

Estimativa é de que as chamas consumiram 500 hectares de florestas de eucalipto Equipes do Governo do Estado se uniram a
Homem é espancado e roubado ao sair do Banco do Brasil em Ribas do Rio Pardo

Homem é espancado e roubado ao sair do Banco do Brasil em Ribas do Rio Pardo

O crime aconteceu nesta terça-feira (12), na Avenida Aureliano Moura Brandão, região central da cidade.   De acordo com informações do boletim
6ª CIPM- Polícia militar de Ribas do Rio Pardo divulga balanço da “Operação Independência”

6ª CIPM- Polícia militar de Ribas do Rio Pardo divulga balanço da “Operação Independência”

Foi desencadeada no último dia 7 de setembro no Município de Ribas do Rio Pardo a “Operação Independência” com o
Conheça e saiba usar plantas e flores medicinais, disponíveis na Bim Floricultura em Ribas do Rio Pardo

Conheça e saiba usar plantas e flores medicinais, disponíveis na Bim Floricultura em Ribas do Rio Pardo

Um guia para esclarecer, de vez, como recorrer às propriedades da nossa flora sem correr riscos O uso de plantas para tratar doenças
Ribas do Rio Pardo: Por nepotismo, MPE pede exoneração de sobrinha e cunhado de prefeito

Ribas do Rio Pardo: Por nepotismo, MPE pede exoneração de sobrinha e cunhado de prefeito

Duas recomendações do MPE-MS (Ministério Público Estadual de Mato Grosso do Sul) pedem a exoneração, em até dez dias, de
Frio chega a 3°C em Ribas do Rio Pardo e geada atinge quase todo o município

Frio chega a 3°C em Ribas do Rio Pardo e geada atinge quase todo o município

A madrugada desta quarta-feira (19) foi gelada em todo o estado de Mato Grosso do Sul, onde a geada se
Novo salário mínimo de R$ 979,00 tem impacto de R$ 12,7 bilhões nas contas do governo em 2018

Novo salário mínimo de R$ 979,00 tem impacto de R$ 12,7 bilhões nas contas do governo em 2018

O aumento do salário mínimo de R$ 937 para R$ 979 em 2018 terá impacto de R$ 12,7 bilhões nas

Sexta Turma cassa decisão que considerou estupro como se fosse beijo roubado


estupro
Esta postagem foi publicada em 18 de outubro de 2016 Brasil, Notícias Barra Lateral.

Sexta Turma cassa deciso que considerou estupro como se fosse beijo roubado

A Sexta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) acolheu recurso do Ministério Público de Mato Grosso e restabeleceu a sentença que condenou um jovem de 18 anos por estupro de uma adolescente de 15.

Após a sentença haver condenado o réu a oito anos em regime inicialmente fechado, o Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT) o absolveu por entender que sua conduta não configurou estupro, mas meramente um “beijo roubado”.

Para o ministro relator do caso, Rogerio Schietti Cruz, a decisão do TJMT utilizou argumentação que reforça a cultura permissiva de invasão à liberdade sexual das mulheres. O relator lembrou que o estupro é um ato de violência, e não de sexo.

“O tribunal estadual emprega argumentação que reproduz o que se identifica como a cultura do estupro, ou seja, a aceitação como natural da violência sexual contra as mulheres, em odioso processo de objetificação do corpo feminino”, afirmou o ministro.

O magistrado criticou a decisão que absolveu o réu e o mandou “em paz para o lar”. Na opinião do ministro, tal afirmação desconsidera o sofrimento da vítima e isenta o agressor de qualquer culpa pelos seus atos.

Violência

Rogerio Schietti disse que a simples leitura da decisão do TJMT revela ter havido a prática intencional de ato libidinoso contra a vítima menor, e com violência.

Consta do processo que o acusado agarrou a vítima pelas costas, imobilizou-a, tapou sua boca e jogou-a no chão, tirou a blusa que ela usava e lhe deu um beijo, forçando a língua em sua boca, enquanto a mantinha no chão pressionando-a com o joelho sobre o abdômen. A sentença reconheceu que ele só não conseguiu manter relações sexuais com a vítima porque alguém se aproximou naquele momento em uma motocicleta.

Mesmo com os fatos assim reconhecidos, afirmou o ministro, o tribunal de Mato Grosso concluiu que eles não se enquadravam na definição de estupro, prevista no artigo 213 do Código Penal: “Constranger alguém, mediante violência ou grave ameaça, a ter conjunção carnal ou a praticar ou permitir que com ele se pratique outro ato libidinoso.”

Para o desembargador relator do acórdão do TJMT, “o beijo foi rápido e roubado”, com “a duração de um relâmpago”, insuficiente para “propiciar ao agente a sensibilidade da conjunção carnal”, e por isso não teria caracterizado ato libidinoso. Afirmou ainda que, para ter havido contato com a língua da vítima, “seria necessária a sua aquiescência”.

Inaceitável

“Reproduzindo pensamento patriarcal e sexista, ainda muito presente em nossa sociedade, a corte de origem entendeu que o ato não passou de um beijo roubado, tendo em vista a combinação tempo do ato mais negativa da vítima em conceder o beijo”, comentou Schietti.

Segundo o ministro, a prevalência desse pensamento “ruboriza o Judiciário e não pode ser tolerada”.

Ele classificou a fundamentação do acórdão do TJMT como “mera retórica” para afastar a aplicação do artigo 213 do Código Penal, pois todos os elementos caracterizadores do delito de estupro estão presentes no caso: a satisfação da lascívia, devidamente demonstrada, aliada ao constrangimento violento sofrido pela vítima, revela a vontade do réu de ofender a dignidade sexual da vítima. Os demais ministros da Sexta Turma acompanharam o voto do relator.

O número deste processo não é divulgado em razão de segredo judicial.

Fonte: STJ


45 Visualizações

Notícias em Destaque



Publicidades

Tweater

-